Identifique sinais de que a embreagem está ruim

30/06/2015 - 21h36 - Atualizado em 30/06/2015 - 21h36
Autor: Lui Lima Machado | [email protected]

Trepidação na hora de passar a marcha é um sinal de que algo não está bem no carro

EMBREAGEM_01

O sistema de embreagem é um dos que menos precisam de manutenção em um automóvel, podendo rodar, em média, até 60 mil km sem problemas. Mas isso não quer dizer que não precise de cuidados. Embreagem desgastada, no entanto, pode se tornar um problema manutenção Identifique sinais de que a embreagem está ruim Trepidação na hora de passar a marcha é um sinal de que algo não está bem no carro.

O sistema de embreagem é um dos que menos precisam de manutenção em um automóvel, podendo rodar, em média, até 60 mil km sem problemas. Mas isso não quer dizer que não precise de cuidados. Embreagem desgastada, no entanto, pode se tornar um problema gravíssimo e bem caro de se resolver.

De acordo com o gerente de oficina da Contauto, Geraldo de Mori Filho, o primeiro sinal de que o sistema de embreagem precisa de manutenção está no pedal. “Se ele começa a ficar pesado, cada vez mais difícil para engatar a marcha, é porque o conjunto já está desgastado”, explica. Trepidação e patinação na hora de passar a marcha também devem ser diagnosticados.

A dificuldade de subir ladeiras também é um indicativo. “Se você vê que o carro aumenta o giro do motor, mas não tem força para subir como fazia normalmente, é hora de levar o veículo para a manutenção”. Assobios enquanto descansa o pé no pedal da embreagem é outro sintoma de desgaste.

Maus hábitos

Na grande maioria dos casos, são os maus hábitos ao volante que levam à problemas no sistema. Utilizar uma marcha mais alta que a rotação em que o motor está trabalhando, esticar a rotação antes de trocar a marcha e segurar o veículo em ladeiras apenas na embreagem e acelerador são práticas “destruidoras” do sistema.

“Outra ação danosa é descansar o pé na embreagem, pois faz com que ela continue sendo usada. O ideal é sempre que tiver possibilidade colocar no ponto morto”, diz o gerente de vendas da Vitória Motors, Alziro Stein Junior. Além disso, situações do dia dia, como muitas subidas e descidas, assim como cargas excessivas, diminuem a vida útil daqueles componentes.

Stein Junior lembra que no caso dos câmbios automáticos e automatizados, é praticamente nula a possibilidade de problemas do gênero, pois o motorista praticamente não tem influência na troca de marchas. Por isso, apenas a revisão periódica já é suficiente.

As orientações para preservar o sistema são simples. Além de evitar o mau uso, é verificar o fluido hidráulico do carro e substituir o óleo da caixa de embreagem em toda revisão periódica, para evitar a deterioração prematura.


PUBLICIDADE

Classificadões A Gazeta Copyright 2014. Todos os direitos reservados.